Vamos banir o preconceito da face da Terra! | Portal Munalú – dicas, aconselhamentos, bem-estar
Consultoria Lei da Atração

Vamos banir o preconceito da face da Terra!

Postado por Munalú em 24/02/2017 11:21:52

Vamos banir o preconceito da face da Terra!

(foto: ABSFreePic.com)

Bem que poderia existir uma maneira de extinguir o preconceito de nossas vidas... Infelizmente, essa anomalia, entre tantas que foram inseridas no mundo material (como a inveja e o egoísmo), acabou se tornando rotina na vida dos seres humanos. Então, enquanto não se encontra uma fórmula mágica que resolva essa situação de uma vez por todas, é preciso tentar viver da melhor forma possível. Como você não vive dentro de uma redoma, o melhor a fazer é aprender a conviver com todas as pessoas, sejam elas preconceituosas ou não. Aprender a deixar essas pessoas de lado e permitir que a vida siga seu curso, é o melhor remédio. Deixe que falem o que quiserem! Quanto mais você der atenção para atitudes egocêntricas como essa, mais disso terá de volta. Como diz o velho ditado: "Não dê ocupação para desocupados". Dê atenção somente àquilo que vale a pena, do contrário ignore. Assim você não fica acumulando energias negativas em sua vida.
Quando aconteceu ninguém sabe, mas em algum momento o ser humano passou a achar que podia julgar o que era "belo e aceitável", estabelecendo padrões. Se alguma revista da moda publicar que um determinado tipo físico é considerado "bonito e perfeito", aquele que não possui essas características específicas é considerado "imperfeito" e motivo de piada. Nos locais onde determinada raça prevalece, a pessoa que é diferente acaba sendo ridicularizada e humilhada. Pessoas que têm características especiais são vistas como estranhas e os outros se afastam ou riem delas, sem nem mesmo se preocuparem se irão ferir os seus sentimentos. A intolerância religiosa afasta as pessoas de Deus e dos homens. Muitas vezes se diz que o julgamento alheio é baseado na Palavra do Senhor, quando na verdade são utilizadas frases fora do seu contexto original. Além disso, há uma mistura da religião com a cultura social, que nada tem a ver com o que Deus ensina. A sociedade também impõe algumas regras que muitas vezes são injustas. Se uma mulher decide que não quer se casar para viver sua própria vida e seus próprios sonhos, por exemplo, ela passa a ser discriminada e as pessoas se veem no direito de julgar sua decisão. Contudo, até na Bíblia, o apóstolo Paulo diz em uma de suas cartas (1Co 7.34;39,40) que a mulher não é obrigada a se casar para ser bem vista aos olhos de Deus.
Jesus disse também para atirar a primeira pedra apenas aquele que tivesse certeza de que não havia cometido pecado algum (Jo 8.7) e que com o mesmo rigor com que o ser humano julga o próximo, ele também será julgado (Mt 7.1,2). Por isso, quem gosta de apontar para as diferenças alheias, como se estivesse em posição de juiz, deveria pensar duas vezes antes de agir assim. Aquilo que for feito nessa vida terrena, terá que se prestar contas quando o momento do verdadeiro Julgamento chegar.
Não dá para dizer com certeza o que é certo ou errado, porque todas as pessoas são passíveis de erro, independentemente de quem seja. A visão do ser humano é limitada ao seu conhecimento, o que dificulta enxergar o todo de uma situação. Assim, o julgamento do próximo é feito com base em valores (que nem sempre são corretos) e naquilo que o ambiente onde a pessoa está inserida demonstra ser correto, ou seja, a cultura do local em que ela vive. Esses dois pilares utilizados para se julgar os outros são frágeis, pois não levam em conta a verdade, mas aquilo que se imagina ser verdade.
Existem pessoas que se preocupam tanto com a vida alheia, que se esquecem de viver a própria vida. Fica parecendo até que preconceito é sinônimo de inveja! Pensando bem, quando uma pessoa critica tanto o modo de viver dos outros, que não esquece nem por um segundo a questão, e fica o tempo todo remoendo interiormente o que fazer para prejudicar o próximo, dá a entender que o seu verdadeiro desejo é o de estar no lugar daquela pessoa. É difícil de acreditar que isso possa ser possível, mas infelizmente é.
O preconceito pode começar dentro da família, quando os pais ensinam seus filhos a serem assim, mas esse comportamento também pode ser adquirido na escola, que é o primeiro contato que a criança tem com as regras da sociedade. O bullying nada mais é do que ter inveja do outro indivíduo ou intolerância ao que é diferente. Aquilo que incomoda de alguma forma, as pessoas querem destruir do modo mais cruel possível. Parece até que o sofrimento dos outros é um troféu para elas justificarem a vida infeliz que têm. E para quem acha que esse comportamento é coisa de criança e adolescente, que dê uma passadinha nas universidades e nas empresas. Adulto também pratica esse tipo de infantilidade e ainda pensa que é muito evoluído... Trotes violentos entre alunos e xingar um funcionário de burro na frente de todos, são apenas alguns exemplos de bullying entre adultos. E hoje ainda temos o bullying virtual para complementar esse comportamento vergonhoso do ser humano. Se alguém faz algo que incomoda, seja dentro ou fora da internet, acaba sendo vítima de perseguição on-line e pode até ter sua reputação (ou até mesmo sua vida) colocada em risco por causa de outros que acreditam que têm competência para julgá-la e condená-la.
Deveríamos tomar como exemplo o modo de vida dos animais. Eles não se interessam se um é verde e o outro é lilás. Se um é maior e o outro é menor. Se um é gordo demais e o outro é magro demais. Se uns só caminham, se alguns não podem sair da água ou até se outros podem voar. Todos têm o mesmo direito à vida e de viver de acordo com o propósito que lhes foi designado. Os únicos momentos de conflito entre os animais são para matar a fome ou, se vivem em bando, por liderança. A vida selvagem é mais ordeira que a vida urbana. Às vezes, parece que os animais é que são racionais, e não os humanos. Um animal, mesmo que digam que não possui raciocínio, consegue sentir compaixão por outros (se é que se pode dizer assim), algo raro na vida atual dos seres humanos. Não é difícil encontrar animais de uma espécie que "adotam" outros de outra espécie que são órfãos; ou que salvam a vida de um companheiro que está em dificuldade; ou apenas ficam por perto quando algo de muito ruim acontece.
Quem sabe num futuro não tão distante, todos, deixando as diferença de lado, dar-se-ão as mãos em uma grande celebração à alegria de estar vivo e de poder ser chamado de filho de Deus. Isso é viver no Reino. Antes de julgar os outros, as pessoas deveriam ter consciência de que vieram do mesmo lugar e para lá um dia irão retornar. Todos são feitos da mesma matéria, independente de aparência física. Não existe motivo para ter preconceito, pois a essência de todos os seres humanos é igual. E se pensarmos bem, de perto, quem é normal?
A vida está aí para ser vivida na íntegra e cada segundo que se perde com bobagens como essa, é um desperdício. Isso não é natural para quem foi criado à imagem e semelhança da Pessoa mais iluminada e cheia de amor que existe, Deus! Você não está aqui para dividir e sim para somar. Está aqui para ser um em união com o Universo! O ser humano é um ser social, por isso não nasceu para viver sozinho. É um clichê, mas é verdade: a união faz a força e traz a felicidade. Juntos, vivendo harmonicamente, todos ficarão fortalecidos e, por mais que alguém que não comungue da mesma ideia tente, não conseguirá destruir a alegria da comunhão entre as pessoas e delas com Deus. Mas separados, fica fácil manipular e devastar a humanidade...


Mais Artigos

O que é felicidade?

O que é felicidade?

O que é felicidade? Será que um bem material ou uma pessoa podem trazer a verdadeira felicidade?...

Aprenda a ver oportunidades dentro das crises

Aprenda a ver oportunidades dentro das crises

Saiba como lidar com qualquer adversidade de modo positivo e descubra que é possível ser feliz...

Seja feliz e comece a viver agora!

Seja feliz e comece a viver agora!

Algumas pessoas simplesmente passam pela vida. Você quer ser uma delas ou quer fazer a diferença?...

Envie seu comentário